sexta-feira, 8 de março de 2013

Banner

Banner 

Banner

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011


Hoje não sou nada! !Mas amanhã? Então não me julgues hoje, para não ter que te condenar amanhã
MINHA AMANTE, MINHA AMIGA, MINHA MELHOR...
AMIGA TE AMO D+...


OS OLHOS ACUSADORES


Havia um vilarejo, no interior de Minas Gerais, aonde morava seu João e outras pessoas que não saíam dali para nada.
Sendo pequeno o lugar, os moradores sabiam de tudo o que se passava na vida alheia. Certo dia, seu João precisou ir à cidade grande. Lá chegando, na vitrine de uma loja avistou um espelho. Seu João ficou pasmo e com o espelho na mão gritou:
- Mas o que o retrato do meu pai está fazendo aqui?
- Isso é um espelho - explicou o dono da loja.
- O senhor conheceu o meu pai?
Sorrindo, o lojista explicou
- Isso é um espelho.
- Não é! É o retrato de meu pai! Olha o rosto, a testa, o cabelo. E aquele sorriso desajeitado!
Seu João quis saber o preço e o comerciante vendeu-lhe baratinho. Naquele dia, seu João exibia um sorriso de imensa alegria. Ao chegar em um vilarejo, todos queriam saber.
- Deve ser um presente!
-Não é só uma caixa!
Chegando em casa e entrando com cuidado, colocou o espelho dentro de uma gaveta no seu quarto, e sua esposa ficou a observar curiosa.
No dia seguinte, ao sair para trabalhar, sua mulher correu para o quarto, abriu a gaveta e, afastando-se, fez o sinal da cruz. Fechou a gaveta e exclamou:
- Ah meu Deus, é o retrato de outra mulher! Meu marido não gosta mais de mim. A outra é linda, que pele... Ela é mil vezes mais bonita do que eu.
Quando seu João voltou do trabalho, achou a casa toda desarrumada e sua mulher chorando no chão. Ele indagou:
- Que foi isso, mulher? E ela lhe respondeu:
- Ah, seu traidor de uma figa! Quem é aquela jararaca naquele retrato?
- Que retrato? - Perguntou.
- Aquele mesmo que você escondeu na gaveta!
Mesmo sem entender ele respondeu:
- Aquele é o retrato do meu pai.
Indignada, disse:
- Cachorro, miserável! Pensa que eu não sei a diferença entre um velho lazarento e uma jararaca feia?
- Velho lazarento coisa nenhuma!
- gritou o homem ofendido.
Outras pessoas, escutando a gritaria, entraram para saber do que se tratava, encontraram a vizinha chorando e uma pessoa disse:
- Nunca gostei desse homem! Isso mesmo, larga dele.
- Aquele cafajeste arrumou outra! Ontem eu encontrei ele escondendo um pacote na gaveta e era o retrato de outra mulher.
Uma velhinha muito ansiosa foi ver a tal mulher, desembrulhou o pacote e espiou. Arregalou os olhos, soltou uma gargalhada e disse:
- Essa mulher parece sua bisavó! A tal fulana é a coisa mais enrugada, feia, arruinada, torta que eu já vi até hoje.
E completou feliz, abraçando a vizinha:
- Fica tranquila, a bruxa lá do retrato já está com os dois pés na cova!
MORAL DA HISTÓRIA: Tome cuidado antes de tirar conclusões precipitada.

sexta-feira, 26 de março de 2010

SUBA


Um fazendeiro, que lutava com muitas dificuldades, possuía alguns cavalos para ajudar nos trabalhos em sua pequena fazenda. Um dia, seu capataz veio trazer a notícia de que um dos cavalos havia caído num velho poço abandonado. O poço era muito profundo e seria extremamente difícil tirar o cavalo de lá. O fazendeiro foi rapidamente até o local do acidente, avaliou a situação, certificando-se que o animal não se havia machucado. Mas, pela dificuldade e alto custo para retirá-lo do fundo do poço, achou que não valia a pena investir na operação de resgate. Tomou, então, a difícil decisão: determinou ao capataz que sacrificasse o animal jogando terra no poço até enterrá-lo, ali mesmo. E assim foi feito. Os empregados, comandados pelo capataz, começaram a lançar terra para dentro do buraco de forma a cobrir o cavalo. Mas, à medida que a terra caía em seu dorso, o animal a sacudia e ela ia se acumulando no fundo, possibilitando ao cavalo ir subindo. Logo os homens perceberam que o cavalo não se deixava enterrar, mas ao contrário, estava subindo à medida que a terra enchia o poço, até que, finalmente, conseguiu sair! Se você estiver lá embaixo, sentindo-se pouco valorizado, quando, certos de seu "desaparecimento", os outros jogarem sobre você a terra da incompreensão, da falta de oportunidade e de apoio, lembre-se desta história. Não aceite a terra que jogaram sobre você, sacuda-a e suba sobre ela.






A LIÇÃO DO PÁSSARO

Você já viu um passarinho dormindo num galho ou num fio, sem cair? Como é que ele consegue isso? Se a gente tentasse dormir assim iríamos cair e quebrar o pescoço. O segredo está nos tendões das pernas do passarinho. Eles são construídos de forma que, quando o joelho está dobrado, o pezinho segura firmemente qualquer coisa. Os pés não irão soltar aquela coisa até que ele desdobra o joelho para voar. O joelho dobrado é o que dá ao passarinho a força de segurar qualquer coisa. É uma maravilha, não é? Que desenho incrível que o Criador fez para segurar o passarinho. Mas, não é tão diferente de nós. Quando nosso “galho” na vida fica precário, quando tudo é ameaçado de cair, a maior segurança, a maior estabilidade nos vem de um joelho dobrado

Administração do tempo



Em uma aula de administração do tempo um professor pegou uma jarra com capacidade para 4 litros,
e ele pegou pedras de tamanho de um punho e as colocou dentro da jarra.
Então olhou para classe e perguntou:
A jarra está cheia? Alguns alunos, não sabendo aonde ele queria chegar, responderam sem pensar:
–Sim. O professor deu um pequeno sorriso e disse:
–Não, não está cheia.
–Ele tirou um balde de pedregulhos do tamanho de ervilhas e começou a colocar na jarra.
A classe observava os predegulhos se infiltrando debaixo das pedras preenchendo os espaços até chegar ao topo
. –E agora, a jarra está cheia?
Antes da classe responder, ele despejou um balde de areia no meio dos pedregulhos e das pedras grandes. Ele agitou suavemente a jarra para que areia se assentasse. Depois, adicionou mais areia até chegar ao topo da jarra.
–E agora, a jarra está cheia?
A classe relutou um pouco a responder, pois já haviam se enganado antes, então responderam:
–Provavelmente não. Em continuação, o professor pegou um recipiente com água e derramou suavemente na jarra. A água penetrou no fundo da jarra e foi subindo até transbordar.
–A Jarra está cheia? –Perguntou o professor.
–A classe respondeu: –Achamos que está.
–Certo classe –Disse ele.
- Qual é a lição que extraímos dessa experiência?
Alguém atrás levantou a mão e respondeu:
–Não importa quão ocupada seja a sua vida, sempre há espaço para mais!
–Não –Disse o professor –Não é isso!
A lição é a seguinte: Se você colocar as pedras grandes primeiro, nunca conseguirá colocá-las depois.


” Se eu quiser ter uma vida com Deus preciso colocá-lo em primeiro plano, dedicar alguns momentos só para Ele, mais isso leva um certo tempo e disposição, pois somos muito inconstantes. Preciso estar disposta a abrir espaço na minha vida para Ele só assim poderei ter uma intimidade com Deus."