quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011


Hoje não sou nada! !Mas amanhã? Então não me julgues hoje, para não ter que te condenar amanhã
MINHA AMANTE, MINHA AMIGA, MINHA MELHOR...
AMIGA TE AMO D+...


OS OLHOS ACUSADORES


Havia um vilarejo, no interior de Minas Gerais, aonde morava seu João e outras pessoas que não saíam dali para nada.
Sendo pequeno o lugar, os moradores sabiam de tudo o que se passava na vida alheia. Certo dia, seu João precisou ir à cidade grande. Lá chegando, na vitrine de uma loja avistou um espelho. Seu João ficou pasmo e com o espelho na mão gritou:
- Mas o que o retrato do meu pai está fazendo aqui?
- Isso é um espelho - explicou o dono da loja.
- O senhor conheceu o meu pai?
Sorrindo, o lojista explicou
- Isso é um espelho.
- Não é! É o retrato de meu pai! Olha o rosto, a testa, o cabelo. E aquele sorriso desajeitado!
Seu João quis saber o preço e o comerciante vendeu-lhe baratinho. Naquele dia, seu João exibia um sorriso de imensa alegria. Ao chegar em um vilarejo, todos queriam saber.
- Deve ser um presente!
-Não é só uma caixa!
Chegando em casa e entrando com cuidado, colocou o espelho dentro de uma gaveta no seu quarto, e sua esposa ficou a observar curiosa.
No dia seguinte, ao sair para trabalhar, sua mulher correu para o quarto, abriu a gaveta e, afastando-se, fez o sinal da cruz. Fechou a gaveta e exclamou:
- Ah meu Deus, é o retrato de outra mulher! Meu marido não gosta mais de mim. A outra é linda, que pele... Ela é mil vezes mais bonita do que eu.
Quando seu João voltou do trabalho, achou a casa toda desarrumada e sua mulher chorando no chão. Ele indagou:
- Que foi isso, mulher? E ela lhe respondeu:
- Ah, seu traidor de uma figa! Quem é aquela jararaca naquele retrato?
- Que retrato? - Perguntou.
- Aquele mesmo que você escondeu na gaveta!
Mesmo sem entender ele respondeu:
- Aquele é o retrato do meu pai.
Indignada, disse:
- Cachorro, miserável! Pensa que eu não sei a diferença entre um velho lazarento e uma jararaca feia?
- Velho lazarento coisa nenhuma!
- gritou o homem ofendido.
Outras pessoas, escutando a gritaria, entraram para saber do que se tratava, encontraram a vizinha chorando e uma pessoa disse:
- Nunca gostei desse homem! Isso mesmo, larga dele.
- Aquele cafajeste arrumou outra! Ontem eu encontrei ele escondendo um pacote na gaveta e era o retrato de outra mulher.
Uma velhinha muito ansiosa foi ver a tal mulher, desembrulhou o pacote e espiou. Arregalou os olhos, soltou uma gargalhada e disse:
- Essa mulher parece sua bisavó! A tal fulana é a coisa mais enrugada, feia, arruinada, torta que eu já vi até hoje.
E completou feliz, abraçando a vizinha:
- Fica tranquila, a bruxa lá do retrato já está com os dois pés na cova!
MORAL DA HISTÓRIA: Tome cuidado antes de tirar conclusões precipitada.